PUBLICIDADE

Estado do Maranhão

Em Assembléia Geral realizada na manhã deste domingo (15) no Convento das Mercês, os professores da rede estadual de ensino, em greve há 76 dias, decidiram por maioria manter a paralisação.
Ao retornarem para o acampamento montado em frente ao Palácio dos Leões (residência oficial da governadora Roseana Sarney), os educadores tiverem uma surpresa: foram recebidos pela tropa de Choque da Policia Militar, formada por 12 viaturas, a cavalaria e mais de 30 policiais, que neste momento querem remover as barracas armadas e expulsar os professores do local.
O clima em frente ao Palácio agora é bastante tenso. A PM já se arma com bombas de gás e armas de bala de borracha para um eventual confronto. Há crianças e mulheres no acampamento. Alguém precisa urgentemente tomar uma providência. A qualquer momento pode haver um conflito de maiores proporções.


Na tentativa de defender o governo, Manoel Ribeiro acaba “culpando” Roseana

O líder do governo na Assembleia, deputado Manoel Ribeiro (PTB) acabou, num momento de lucidez, dando um tiro no próprio pé ao creditar aos governos anteriores à gestão de Roseana Sarney Murad (PMDB) o mau desempenho maranhense em vários setores, dentre eles educação e desenvolvimento.
Manoel Ribeiro ao fazer a afirmação acabou esquecendo que a própria Roseana, aos 57 anos, está no seu quarto mandato como governadora. Além de Roseana, também ocuparam o cargo de governadores os hoje senadores José Sarney, João Alberto, Edison Lobão e Epitácio Cafeteira.
Todos eles do grupo político ao qual Ribeiro faz parte, que há mais de quatro décadas comanda o Estado.
As afirmações do líder da bancada governista foram uma resposta às críticas apresentadas pelo também deputado Marcelo Tavares (PSB), momentos antes, na Tribuna.
Tavares comentou os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta terça-feira, que mostrou o Maranhão como o Estado que tem proporcionalmente a maior concentração de pessoas em condições extremas de pobreza. Da população de 6,5 milhões de habitantes, 1,7 milhão está abaixo da linha de miséria (ganham até R$ 70 por mês) – o que representa 25,7% dos do total de habitantes.
Segundo Manoel Ribeiro, os números apresentados por Marcelo Tavares, baseado nos dados do IBGE, não condizem com a realidade do Estado. “A realidade é que quem propiciou isso não foi a governadora Roseana, foram os governos anteriores”, contestou.
E os três governos anteriores de Roseana, não contam Manoel?